Rei da Gaita, Toots Thielemans, está na home do Google

Rei da Gaita está na capa do Rei das Buscas.

Rei da Gaita, Toots Thielemans, está na home do Google

O Google promovendo uma homenagem a Toots Thielemans, o lendário tocador de gaita de jazz cuja contribuição mais conhecida é a música tema da Vila Sésamo.

Toots Thielemans nasceu em 29 de abril de 1922 em Bruxelas, Bélgica. Desde cedo, Thielemans encontrou sua alegria na música, primeiro tocando acordeão aos três anos de idade e depois aprendendo gaita e violão.

Após a Segunda Guerra Mundial, Toots Thielemans começou sua carreira como músico em tempo integral, inspirado por lendas do jazz como Louis Armstrong, Django Reinhardt e Benny Goodman.

Como o destino quis, Thielemans fez um show em um pequeno clube de jazz de Nova York, e o agente de Goodman estava presente.

Quando Goodman mais tarde planejou turnês pela Europa em 1949 e 1950, Thielemans foi convidado para tocar guitarra com a banda, dando início à sua carreira.

Ao longo dos anos, Toots Thielemans tocou com músicos lendários como Charlie Parker, Miles Davis e George Shearing.

Diz-se que durante a turnê com o George Shearing Quintet, Thielemans tocou uma guitarra Rickenbacker para uma multidão contendo um jovem John Lennon que foi inspirado por Toots e seu instrumento.

No início dos anos 1960, Thielemans escreveu e gravou uma música chamada Bluesette, que ele considerava sua obra-prima. Após seu lançamento, tornou-se um padrão de jazz, coberto por centenas de artistas de jazz nas décadas seguintes.

Toots Thielemans também forneceu a trilha sonora de vários filmes, programas de televisão e comerciais dos anos 60 a 90.

Mesmo que você não tenha ouvido falar de Toots Thielemans, há uma boa chance de você ter ouvido o trabalho dele, pois ele forneceu o solo de gaita ouvido durante a icônica música-tema da Vila Sésamo.

Thielemans finalmente se aposentou de sua carreira no jazz em 2014 como um dos gaitistas mais reverenciados de todos os tempos.

Toots Thielemans morreu dois anos depois, em 22 de agosto de 2016.