Pesquisadores querem dar habilidades sociais aos robôs

A ideia é que as interações homem-robô sejam mais "humanas".

Pesquisadores querem dar habilidades sociais aos robôs
Photo by Aideal Hwa / Unsplash

Os pesquisadores de ciência da computação do CSAIL do MIT estão tentando ensinar robôs a como interagir com outros robôs para atingir seus próprios objetivos.

Para estudar a construir essas interações, os pesquisadores criaram um ambiente 2D simulado que permitiu aos robôs virtuais perseguir objetivos sociais e físicos.

Por exemplo, uma meta física pode ser navegar até uma árvore em um determinado ponto de uma grade, enquanto uma meta social é adivinhar o que outro robô está tentando fazer e, em seguida, agir com base nisso, "como ajudar outro robô a regar a árvore, "de acordo com CSAIL.

O robô é recompensado por ações que o aproximam de seus objetivos, com uma recompensa correspondente por ajudar e uma recompensa oposta por impedi-lo.

A equipe criou três tipos de robôs: o primeiro tem apenas objetivos físicos, o segundo tem objetivos físicos e sociais, mas assume que todos os robôs têm apenas objetivos físicos.

O terceiro pressupõe que todos os outros têm objetivos sociais e físicos, por isso pode realizar ações mais avançadas, como juntar-se a outras pessoas para atingir um objetivo.

Mesmo os bebês parecem entender as interações sociais como ajudar e atrapalhar, mas ainda não temos máquinas que possam realizar esse raciocínio em algo como a flexibilidade de nível humano.

A equipe criou 98 cenários diferentes com os três tipos de robôs. Doze humanos assistiram a quase 200 videoclipes dos robôs interagindo e então tiveram que estimar os objetivos físicos e sociais.

"Na maioria dos casos, o modelo deles concordava com o que os humanos pensavam sobre as interações sociais que ocorriam em cada quadro", disseram os pesquisadores.

Os pesquisadores esperam que os resultados atuem como uma "referência" que permita que outros trabalhem em interações sociais semelhantes. Em seguida, eles planejam criar um ambiente mais complexo com agentes 3D que permite mais tipos de interações.

O objetivo final é não apenas ensinar os robôs a interagir melhor socialmente, mas "cavar mais fundo no aspecto humano disso", disse o autor sênior Andrei Barbu.

"Podemos fazer um teste objetivo de sua capacidade de reconhecer as interações sociais? Talvez haja uma maneira de ensinar as pessoas a reconhecer essas interações sociais e melhorar suas habilidades."